Plano Anual de Atividades

2018/2019

Plano Anual de Atividades

Documento de planeamento que define as atividades a desenvolver.

Introdução

“Crianças Felizes”

O Plano Anual de Atividades (PAA) constitui um dos instrumentos de autonomia, previstos na alínea c) do n.º 1 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, alterado pelo Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, que aprova o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário.
O Plano Anual de Atividades assume-se como um dos documentos de planeamento, que define os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação dos recursos necessários à sua execução, conforme estabelecido na alínea D) do ponto 1 do artigo 9.º, do mesmo diploma. Nos termos do art.º 9.º, n.º 1, do Decreto-lei n.º 137/2012, de 2/7, o Plano Anual de Atividades (PAA) constitui um dos instrumentos de autonomia, devendo definir ações a desenvolver ao longo do ano que se harmonizem com a política educativa constante nos documentos orientadores nacionais e contextuais.
O documento que aqui se apresenta assume-se também como um instrumento de desenvolvimento do currículo, pretendendo as suas propostas, de forma coerente e integradora, obter uma motivação dos alunos para as aprendizagens curriculares, aumentando os seus níveis de interesse, apelando à sua participação na vida da escola e estimulando o exercício da criatividade.
No geral, pretende-se alargar os horizontes dos jovens nos planos curricular, cultural, desportivo e cívico, processo que permitirá ao Centro Helen Keller prestar à comunidade em que se insere um serviço educativo de grandíssima qualidade.

Objetivos / Metas

O Plano Anual de Atividades (PAA) operacionaliza o Projeto Educativo (PE) numa lógica de curto prazo (ano letivo), constituindo o Plano que mais se aproxima da consecução do Projeto Educativo, programando atividades a realizar de acordo com as prioridades definidas no Conselho Pedagógico. É considerado como elemento decisivo na afetação de meios, nos seus aspetos humano, material e financeiro.

A diversidade de estratégias delineadas dá corpo à ideia central de que, o papel da Escola está muito longe de se esgotar dentro da sala de aula e de que a aprendizagem, nas suas diversas vertentes, pode e deve ocorrer sob as mais variadas formas e em diferentes contextos, por forma a enriquecer o processo ensino/ aprendizagem.

Nestes pressupostos, são objetivos do Plano Anual de Atividades os seguintes artigos:

a). Garantir as condições necessárias para a existência de um clima de trabalho e de convivência que permita o cumprimento de todos os objetivos;

b). Assegurar mecanismos que envolvam a inovação de práticas pedagógicas;

c). Promover a exigência e rigor nas práticas pedagógicas;

d). Incluir objetivos de Educação Cívica no desenvolvimento das várias disciplinas;

e). Assegurar a formação escolar prevista para os diferentes ciclos e anos, tendo em conta os interesses e caraterísticas dos alunos, o seu contexto cultural e social;

f). Criar condições que possibilitem a realização de atividades lúdicas de ocupação dos tempos livres que constituam um desafio cognitivo, estético e ético;

g). Promover uma atmosfera de convívio e de cooperação, viabilizando o desenvolvimento interpessoal;

h). Promover a valorização da Escola como local privilegiado de trabalho, criação e investigação;

i). Criar espaços de debate e reflexão, promotores da partilha de experiências e saberes;

j). Proporcionar a aquisição de saberes essenciais construídos a partir de uma forte intervenção do sujeito;

k). Proporcionar uma maior e melhor motivação para as aprendizagens;

l). Estimular a capacidade reflexiva, valorizando o saber e o espírito crítico;

m). Desenvolver capacidades de aprendizagem autónomas;

n). Desenvolver estratégias de ensino conducentes a aprendizagens significativas, valorizando a teoria e a prática;

o). Fomentar o gosto por uma constante atualização de conhecimentos;

p). Privilegiar o desenvolvimento de competências e a capacidade de adaptação a novas situações;

q). Incentivar a autodisciplina, persistência e trabalho;

r). Promover uma relação pedagógica mais estimulante, a fim de integrar todos os alunos e melhorar as suas aprendizagens;

s). Fomentar um clima de diálogo e de reflexão, com vista à resolução dos diferentes tipos de problemas;

t). Desenvolver o conhecimento e o apreço pelos valores caraterísticos da identidade, língua, história e cultura portuguesas;

u). Promover a segurança e higiene na escola;

v). Possibilitar uma participação ativa dos Pais/ Encarregados de Educação na vida escolar;

w). Fomentar o empenho recíproco entre a Escola e a Família de modo a permitir interações harmoniosas;

Organização das atividades

As atividades que constam do presente documento são descritas de acordo com os dinamizadores, os destinatários, a calendarização e o local onde serão realizadas devendo ser articuladas com as atividades a desenvolver com o currículo das disciplinas envolvidas, bem como a possível ligação aos diferentes projetos da escola. Para dar resposta e cumprir as orientações do Conselho Pedagógico, atividades que integram o Plano Anual de Atividades devem estar assentes no currículo e planeadas de forma articulada, possuindo, tanto quanto possível, uma natureza ampla e interdisciplinar. Assim deverá espelhar na sua matriz os objetivos que o cumprem.

Pela diversidade de origens dos contributos que o integram, o Plano Anual de Atividades constitui um documento aglomerador, capaz de promover a aproximação e a articulação entre ciclos e níveis de ensino, e de envolver os diferentes membros da nossa Comunidade Escolar em torno de objetivos e metas comuns.

Ao longo do ano letivo, é também proposto um leque diversificado de atividades educativas integrando, numa dimensão interativa, o aprofundamento e valorização dos conhecimentos e competências lecionados, nas várias áreas disciplinares, através de atividades extracurriculares, tais como: visitas de estudo, exposições, festas/comemorações, concursos, ações de formação, campanhas de sensibilização ambiental e jornadas desportivas.

Avaliação

Para efetuar o acompanhamento e monitorização do Plano Anual de Atividades 2018/2019, em cada trimestre, será elaborado um documento interno de acompanhamento (avaliação trimestral). Após a realização de cada atividade a estrutura proponente deve registar todas as informações relevantes para melhor avaliação do Plano Anual de Atividades 2018/2019.

No final do ano letivo, será elaborado o relatório de avaliação final, que incluirá uma apreciação geral dos resultados atingidos, uma perspetiva sobre a continuidade das atividades mais relevantes e uma reflexão crítica a partir da qual se perspetivará o Plano Anual de Atividades para o ano letivo 2019/2020.

Conclusão

O Plano Anual de Atividades do Centro Helen Keller abre-se à diversidade de projetos e atividades; propõe sem condicionar e enriquece sem limitar.

Mais do que uma simples listagem, é um conjunto de intenções que, ao ser elaborado, não prevê situações de impedimento à sua concretização. Por outro lado, é um documento aberto à realização de ações e atividades que, não estando previstas no plano inicial, merecem toda a atenção e disponibilidade quer pelo seu interesse pedagógico, quer pelo seu interesse lúdico.

O presente documento, tal como a dinâmica subjacente às múltiplas variáveis do processo educativo, é um documento em aberto, sujeito à construção e revisão permanentes, procurando ser ao mesmo tempo um retrato fiel do contributo, esforço, vontades e ambições de todos os agentes educativos e parcerias que contribuem para melhorar a realidade educativa da nossa escola.

Num contexto mais amplo, as atividades sustentam a filosofia de uma escola que se pretende inclusiva, oferecendo um ensino aberto a todos e que conta com todos.